26/05/2016

[ RESENHA ] Outro Conto Sombrio dos Grimm

Título: Outro Conto Sombrio dos Grimm
Autor: Adam Gidmitz
Páginas: 351
Editora: Galera Record- Selo Galera Júnior
Estrelas: 5/5
Livro: Cedido em parceria com a Galera

Depois de revisitar a história de João e Maria, mostrando o conto original dos irmãos Grimm, o autor mais uma vez usa a escrita original dos autores para mostrar a verdadeira aventura de João e o Pé de Feijão. Juntem-se a este conto de fadas pra lá de diferente e acompanhem João e Jill pelas histórias dos Irmãos Grimm, de Hans Christian Andersen e de outras figurinhas do universo do faz de conta. E se preparem para descobrir paisagens incríveis, que podem ou não! ser assustadoras, sangrentas, aterrorizantes e cheias de surpresas.






Antes de tudo preciso dizer que me apaixonei pela capa desse livro, e como estou tentando ler mais livros infanto-juvenil escolhi esse por ter uma pegada sombria (algo novo na minha rotina literária) e também trata-se de um livro de conto de fadas, só que descrito de uma forma diferente e vista por um lado diferente... O lado verdadeiro da história como o próprio narrador deixa claro desde o inicio.

Admito que não conheço muito sobre os contos originais dos Grimm, mas só pelo o básico que toda criança cresce escutando e lendo dessas histórias tudo já ficou interessante nesse livro... Você vai entender melhor.

Outro conto sombrio dos Grimm, vai contar a história de João (aquele joão do pé de feijão), O sapo (sim, aquele que é beijado pela princesa e vira um lindo príncipe) e Jill (prima do João, que vestiu um vestido invisível.)

O livro começa contando a história do sapo de uma forma diferente daquela que conhecemos, o sapo nessa versão (original e sombria) é rejeitado pela princesa que é um megera, além de ser uma grossa, ela ainda arranca uma perna do coitado sapo.


"Ele era um sapo. Um sapo apaixonado por uma princesa linda e cruel"


O segundo conto é sobre Jill, uma princesa filha de uma mulher soberba. O reino de Jill recebe um convidado inesperado que traz para a rainha um presente valioso, um tecido maravilhoso, que somente pessoas com olhos refinados poderia ver a seda majestosa, e como sabemos, todos diziam que viam a seda, rsrsrsrs.
Acabou que o tecido não dava um vestido para a rainha e Jill seria presenteada... Enfim, já sabemos que a menina foi envergonhada diante de todo o reino quando aparece completamente nua diante do povo. 

Assim Jill foge desesperada e encontra o sapo (agora de três pernas). Jill resolve visitar seu primo João, o qual já sabemos a história... (o menino que troca sua vaca por feijões mágicos e blá, blá, blá). A partir desse momento a história fica ainda mais divertida e diferente. João, Jill e o sapo recebe a visita de uma mulher estranha que promete dar a eles a solução de seus problemas, mas em troca eles teriam que encontrar o espelho mágico perdido para ela. Inocentemente eles juram por suas vidas. A mulher diz que eles devem começar a procurar no céu, e aí entra o pé de feijão. Os três partem rumo a procura do espelho mágico.  E sua primeira missão é passar pelos gigantes.

Não vou mais falar sobre a história, para não perder a graça, mas se preparem para uma divertida aventura.  O que mais gostei no livro foi a forma que ele foi narrado, o livro começa com uma introdução feita pelo narrador que nos acompanha durante toda a leitura, chegando até a interromper a história por diversas vezes trazendo um toque sombrio e muito humor.

"... se vocês são do tipo de pessoa que não gosta de ler sobre sofrimento, derramamento de sangue e lágrimas, por que não fingem que o dia acabou ali e fecham o livro agora mesmo? Por outro lado, se vocês são o tipo de pessoa que gosta de ler sobre derramamento de sangue e lágrimas... bem, posso perguntar educadamente:
- O que há de errado com vocês?"



O narrador realmente conversa com o leitor, faz perguntas que nos faz parar para pensar em uma resposta. Outras vezes ele dá alguns alertas bem divertidos chegando algumas vezes a dizer ao leitor que é melhor que este pare de ler ali, ou pule caso não aquente cenas do tipo que seria narrada a seguir. (Vocês vão entender melhor assim que ler o livro rsrsrsrs).

Outro conto sombrio dos Grimm, não é um livro de terror, longe disso, mas realmente tem essa pegada sombria em diversas cenas, mas o humor sempre está presente. A leitura flui de forma leve e rápida, quando você percebe já leu metade do livro em um piscar de olhos. A diagramação está de deixar qualquer leitor babando, cada capitulo tem um desenho que está interligado com o tema. E a capa nem digo nada, babando ainda aqui.

A escrita do autor é esplendida, envolvente, leve, bem elaborada... enfim, eu realmente adorei e recomendo o livro para qualquer pessoa que procura por uma leitura envolvente, rápida, sombria e com humor e cheia de aventura.

[ DIVULGAÇÃO] Oposição - Série Stellium #1



Esse ano o blog firmou mais uma parceria de sucesso e a autora da vez, é a Thaísa Lixa, que está iniciando uma história alucinante com o primeiro volume chamado Oposição, cuja série é denominada Stellium. Sendo assim, segue algumas informações impactantes dessa nova obra que promete arrebatar muitos leitores. 

A OBRA


Sinopse: Em uma dimensão chamada Constelação, são os supremos Deuses do Inferno que controlam e ditam as regras da sociedade, amedrontando os humanos e deixando-os dóceis perante seus poderes, nessa, e em todas as outras dimensões que existem pelo Universo. Entretanto, por conta de uma traição, o Deus principal e líder, Ahriman, impôs uma lei que jamais poderia ser quebrada: Ele definiu que as diversidades genéticas não existiriam, o que faria a população ter uma aparência padronizada de olhos e cabelos castanho-escuros ou negros.  E assim foi, até o nascimento da jovem Lilith, uma menina de cabelo loiro e olhos azuis, acompanhada de uma beleza estonteante e que atraía olhares de todos à sua volta por sua singularidade e magnetismo pessoal. Tratada desde perfeição até aberração, pelas pessoas de seu mundo, Lilith tenta sobreviver em meio a tanta gente intolerante. De uma coisa ela não tinha dúvida: havia sido amaldiçoada. Só mesmo este fato explicaria o motivo de ter nascido com a aparência proibida e ter macabros pesadelos todas as vezes em que dormia.  Lilith pensava isso consigo mesma e não tinha a real dimensão do quanto suas suposições eram verdadeiras.



A AUTORA



Thaísa Lixa nasceu na cidade de Niterói, no estado do RJ. Desde pequena possui um apreço incomum pela leitura e fantasia, ouvindo histórias criadas e contadas pela sua avó materna e pelo seu avô paterno antes de dormir. Era frequente que seus avós acabassem dormindo no meio dos contos e ela continuasse acordada, querendo que eles contassem mais. Cresceu e seu amor pelas histórias só aumentou, começou a escrever fanfics e publicar na internet a partir dos seus 9 anos de idade. Continuou escrevendo por toda a adolescência e acabou entrando para a faculdade de Estudos de Mídia, na U. F. Fluminense em 2011, na mesma época em que começou a escrever o seu 1º livro, Oposição, da série Stellium.



CONHEÇA A SÉRIE



Para a felicidade de todos o livro já está a venda nesse site , e as demais informações da série podem ser obtidas na fã page. E ah não esqueçam de adicionar o livro ao Skoob.

Curta a Fã Page
Adicione ao Skoob

25/05/2016

[ RESENHA ] O Quarto Dia

Título: O Quarto Dia
Autor: Sarah Lotz
Editora: Arqueiro
Páginas: 346
Estrelas: 4/5
Livro: Cedido em parceria com a editora
Em O Quarto Dia, Sarah Lotz conduz o leitor por uma viagem de réveillon que tinha tudo para ser perfeita. Mas às vezes o novo ano reserva surpresas desagradáveis...Janeiro de 2017. Após cinco dias desaparecido, o navio O Belo Sonhador é encontrado à deriva no golfo do México. Poderia ser só mais um caso de falha de comunicação e pane mecânica... se não fosse por um detalhe: não há uma pessoa viva sequer no cruzeiro. As autoridades acham indícios de uma epidemia de norovírus, mas apenas descobrem os corpos de duas passageiras. Para piorar, todos os registros e gravações de bordo sofreram danos irreparáveis. Como milhares de pessoas podem ter sumido sem deixar rastro? Teorias da conspiração se alastram, mas só há uma certeza: 2.962 passageiros e tripulantes simplesmente desapareceram no mar do Caribe.


A história é centrada no navio O Belo Sonhador, que está em um cruzeiro de comemoração de fim de ano. Ele começa narrando o quarto dia de viagem do cruzeiro, o dia em que as coisas começam a dar errado.  Com um problema técnico vindo à tona devido a um incêndio de origem desconhecida, o navio acaba ficando sem energia e com sérios problemas nos motores para continuar a se movimentar até o seu destino final. Além disso, aparentemente há um alastramento de um vírus pelo navio, infectando diversos passageiros e começando a espalhar o pânico.

É com ele que nos é apresentado os personagens que, em seu ponto de vista, irá nos levar as tragédias que acontecerá através do livro: A Assistente da Bruxa, O Condenado, A Criada do Diabo, As Irmãs Suicidas, O Anjo da Misericórdia e O Guardião de Segredos.















Cada capítulo tem o foco em uma pessoa diferente. Em A Assistente da Bruxa, é apresentada Maddie, assistente da médium Celine Del Ray, que a acompanha para mais uma de suas apresentações na qual seus “Amigos” - pessoas que se juntaram à viagem para acompanhar suas sessões – esperam poder entrar em contato com seus entes falecidos. O Condenado, por sua vez, é Gary, um homem casado que tem como prazer sair em viagens com sua esposa e se aproveitar de mulheres inocentes, as dopando e as estuprando, sempre tendo com preferência em sua vítima mulheres que não chamam muita atenção. Há também a criada do diabo, Althea, uma jovem camareira que luta para conseguir dinheiro o suficiente para poder sustentar o marido que tanto despreza.

Helen e Elise são as irmãs suicidas, amigas que se encontram no navio com apenas um propósito: acabarem com suas vidas no último dia do passeio. Jesse é o médico do navio que possui alguns segredos sobre seu passado e o guardião de segredos se passa pela vida de um dos oficiais do navio, Devi, que tenta passar o máximo despercebido para evitar trazer desgraça em sua família.

Como se os problemas técnicos do navio não fossem o suficiente juntamente com um vírus se espalhando, é encontrada em uma das cabines, uma mulher morta – vítima de Gary –, aparentemente de overdose. Isso é o que basta para que um rumor se espalhe pelo navio que os problemas técnicos estão sendo causados pelo fantasma da passageira morta que busca vingança pelo seu assassino ou até pela Dama de Branco, uma passageira que assombrava o navio segundo seus empregados. Além do fato que Althea tem certeza de ter visto um menino perambulando pelo convés do navio, sendo impossível uma vez que o cruzeiro era apenas para adultos.











 É assim que o caos se espalha. Com os dias passando e cada parte do navio lentamente dando problemas, cada personagem apresentam diferentes tipos de obstáculos e podemos observar como o nível psicológico de cada um se desenvolve na trama, como o medo os afeta, juntamente com a culpa de erros cometidos em seu passado.

“Com os dedos trêmulos, Devi voltou a gravação e se preparou para repassá-la. O que tinha visto – ou pensou ter visto – era impossível. Mas ali estava de novo: a palma de uma mão cobrindo a lente da câmera.”

O livro é incrivelmente intrigante. Não conseguia tirar os olhos das páginas quando as lia, querendo saber o que aconteceria com cada personagem e o que aconteceria com o navio. Achei interessante como o pânico foi explorado, mostrando como cada personagem o demonstra de sua forma, sendo se jogando na bebida ou o ignorando até que seja tarde de mais.

Sarah Lotz possui uma escrita interessante, gostei muito de como ela conseguiu entrelaçar vários personagens de uma forma ou de outra e ainda focasse no tema principal da obra.

Meu único pesar foi ver que há várias referencias ao livro Os Três que não pude identificar, como a menção da Quinta-Feira Negra, evento principal da obra anterior. Não foi muito relevante para entender esse livro, mas ainda me incomodo em não poder relacionar certos detalhes que pode ser conectado com a obra anterior.

“Do nada, ele se sacudiu, estendeu os membros e partiu até ela de quatro, como uma aranha. Rápido demais – ninguém conseguiria ser tão veloz assim. Althea gritou e saltou para a porta, desembestando pelo corredor. Uma risadinha veio de trás. Ela se virou. Ele estava parado a alguns metros, quase do lado de fora da cabine da moça morta.”

Fiquei decepcionada por não haver tantos eventos sobrenaturais como achei que teria. Com uma capa macabra e misteriosa, esperava ficar incrivelmente assustada com o desenrolar dos eventos e com as aparições de espíritos mencionados do livro – e admito que no início eu fiquei, porém mais por antecipação do que por algo que acontece no livro – mas o foco mesmo foi como isso afeta o psicológico das pessoas.


O final do livro também me incomodou um pouco. O livro não chega a uma conclusão concreta. Há várias questões em aberto que eu imagino que seja para os leitores “se aventurarem” por conta própria e eu admito que não gosto muito de finais assim. 

“Uma mulher com roupa da década de 1920 – como a Lizzie Bean de Celine – estava deitada na banheira.” 

24/05/2016

[ RESENHA ] O Que Há de Estranho em Mim

Título: O Que Há de Estranho em Mim
Autor: Gayle Forman
Editora: Arqueiro
Páginas: 214
Estrelas: 3/5
Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão.Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.



Olá Leitores!

O Que Há de Estranho em Mim é o primeiro romance de Gayle Forman, que fez sucesso com os livros Se Eu Ficar e Eu Estive Aqui, e este é, também, o primeiro livro que leio da autora e embora tenha lido fielmente e com a mesma atenção do início ao fim, esperava mais tanto do prosseguimento da narrativa quanto do título forte que me chamou a atenção. No entanto, não foi totalmente desagradável e antes que vocês peçam para eu decidir se gostei ou não, vou contar um pouco da história e minhas impressões.


Brit Hemphil é a jovem guitarrista da banda Clod, tem cabelos coloridos, uma quedinha pelo colega de banda Jed e não se dá bem com a madrasta, intitulada por ela como Monstra, e seu conservadorismo exagerado.
Narrado em primeira pessoa acompanhamos os relatos de Brit que levava uma vida maravilhosa com os pais, até descobrirem que sua mãe era esquizofrênica e ela sumir do mapa em um dia qualquer. Após um período de procura, o pai de Brit se dá uma nova chance e casa-se novamente, mas ele não é mais o mesmo e isso causa um distanciamento entre eles. Até o momento tudo bem, são momentos pelos quais estamos sujeitos a passar.

“Então, papai fechou o CoffeeNation e foi trabalhar numa empresa de software, onde conheceu a Monstra, o tipo de mulher que tem um treco se a bolsa não está combinando perfeitamente com o sapato. Eles se casaram um ano depois e minha maravilhosa família foi para o espaço. Só então me dei conta de que devemos valorizar quem se preocupa com a gente. Isso é algo muito especial, que de uma hora para outra pode sumir”.

No entanto, perdido e sem a vivacidade de antes, rendido aos pedidos da atual esposa e cansado das brigas ou da simples falta de convivência entre a mulher e filha, o pai de Brit interna a garota de 16 anos em um clínica comportamental para descobrir e corrigir a origem de rebeldia dela. 

Essa premissa atiçou minha curiosidade, pois como é possível notar, Brit é como qualquer outra garota com estilo alternativo e que gosta de participar de shows, ela não faz parte de um grupo realmente problemático e que precisa de auxílio e conselhos além daqueles cabíveis aos pais.





"Os monstros estão por todo lado,
Só que a gente olha e não vê.
Não tem garras, não tem dentes afiados,
Parecem comigo e com você."
A noção de que nenhuma das garotas internadas na Red Rock precisava daquele tipo de tratamento veio de maneira rápida, o método deles era agressivo e desrespeitador, a maioria dos funcionários apresentava um prazer maligno em confrontar as garotas até que elas caíssem em um choro humilhante, obviamente eram os administradores do local que precisavam de ajuda. 

Tive muita raiva do pai da Brit por levá-la a um lugar que ele e a Monstra só conheceram por folheto, afinal ela passou meses lá. Eu não deixaria minha filha em qualquer lugar, sem as referências dos profissionais e sem conhecimento e acompanhamento das atividades. Mas, enfim.
"Corri de volta para o meu quarto e me joguei na cama, chorando desesperadamente pela minha mãe e por todas as minhas feridas. Não desci para jantar e nenhum conselheiro apareceu para me obrigar. Afinal de contas, eu estava chorando. E eles adoravam quando a gente chorava".

O desenvolvimento até o meio da história é muito bom, é importante saber que nem todos os lugares são assim, mas se eles existem, temos que redobrar nossa atenção ao querer ajudar alguém. Durante um tempo a protagonista se isola, e realmente começa a ter os primeiros sinais de depressão, pois com informações/fofoca ganham benefícios e ela não quer se expor para as pessoas erradas. 

O medo de como a Red Rock a influencia, o contato superficial com o pai e a crescente incerteza, graças as consultas obrigatórias com a Dra. Clayton, de que talvez ela fosse idêntica com a mãe, não apenas fisicamente, estavam desgastando-a.

No entanto, um grupo de garotas se aproximam e se unem a ela dando um ar mais leve para a história, todas desejando, à sua maneira, sobreviver aquele lugar e escolhendo que seria melhor se estivessem juntas.

"A vida real era maravilhosa e, por mais distante que parecesse naquele momento, ainda existia. Eu ainda existia".


Apesar de temas como: esquizofrenia, bullyng e violência verbal, a autora consegue tratar tudo de uma forma mais leve que o esperado, o que me fez esperar mais da história. Esperar, no mínimo, 50 páginas a mais. Pois, ao longo da narração percebemos o quanto a Brit tem a descobrir sobre o Red Rock, o Xerife e a Dra. Clayton; também sobre sua mãe e principalmente seu dia-a-dia quando voltar para casa e é nesse momento que Gayle me decepciona e corre com os fatos, optando pelo mais simples, como se outros fatores não fossem importantes. Mas, Gayle, era importante sim e isso influenciou muito minha visão geral de uma história com tanto potencial. 


"- Já é um passo na direção certa.- É só isso que a gente pode fazer, Brit. Um passo de cada vez.Quando a gente menos espera, chegou a algum lugar."
Tenho certeza que há muitos fãs da Gayle Forman aqui, então quero muito saber a opinião de vocês e aqui fica minha pergunta: O que há de estranho em vocês, leitores?

23/05/2016

[ RESENHA ] Namorado de Aluguel

Título: Namorado de Aluguel
Autora: Kasie West
Editora: Verus
Páginas: 244
Estrelas: 4/5
Livro: Cedido em parceria com a Galera Record

Quando Bradley, o namorado de Gia Montgomery, termina com ela no estacionamento do baile de formatura, ela precisa pensar rápido. Afinal, ela vem falando dele para suas amigas há meses. Esta era para ser a noite em que ela provaria que ele não é uma invenção de sua cabeça. Então, quando vê um garoto esperando pela irmã no estacionamento do baile, Gia o recruta para ajudá-la. A tarefa é simples: passar por namorado dela — apenas duas horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas. Depois disso, ela pode tentar reconquistar o verdadeiro Bradley.  O problema é que, alguns dias depois do baile, não é em Bradley que Gia está pensando, mas no substituto. Aquele cujo nome ela nem sabe. Mas localizá-lo não significa que o relacionamento de mentira deles acabou. Gia deve um favor a esse cara, e a irmã dele tem a solução perfeita: a festa de formatura da ex-namorada dele — apenas três horas, nenhum compromisso, algumas mentirinhas. E, justamente quando Gia começa a se perguntar se pode transformar seu namorado falso em real, Bradley reaparece, expondo sua farsa e ameaçando destruir suas amizades e seu novo relacionamento. Inteligente e maravilhosamente romântico, Namorado de aluguel retrata a jornada inesperada de uma garota para encontrar o amor — e possivelmente até a si mesma. 






Olá Pessoal,

A resenha de hoje se trata de um livro que me conquistou principalmente por essa capa linda, além dessa sinopse intrigante que nos faz querer mergulhar o mais rápido possível nessa história.

O livro nos conta a história da Gia Montgomery, uma adolescente popular, que está no seu último ano do ensino médio e que possui um grupo de amigas desde da infância. As coisas complicam um pouco para a jovem, no entanto, quando a Jules uma menina novata começa a entrar no grupo social da Gia e a partir daí o intuito dela é questionar tudo o que a Gia fala, dentre esses questionamentos, ela fica muito curiosa para saber se o namorado universitário  (Bradley) que a Gia diz que tem, realmente existe.

Bom, existir até que o rapaz existe sim, mas o jovem termina com a Gia na porta do baile de formatura, evento no qual ela iria apresenta-lo para as amigas e se vendo em uma enrascada, porque tudo que ela queria provar era que não estava mentindo para Jules, ela acaba ficando em um grande dilema entre contar ou não a verdade. Até que ela vê um garoto sentado dentro de um carro e que está com um livro aberto. E assim ela cria coragem e vai até ele. Quando ela se depara com o rapaz, não pensa duas vezes e pede que ele finja ser o Bradley, só para provar para as amigas dela que ela não estava mentindo. O rapaz pensa um pouco a respeito, mas acaba aceitando. E com isso, ele interpreta o papel de Cosplay do Bradley incrivelmente bem, dança com a Gia, protege ela, ele acaba sendo muito fofo, o que deixa a personagem bem intrigada.

E bom a noite estava indo bem, até que a irmã do cara o vê ao lado da Gia e decide discutir com ele no meio da festa. Como eles acabam atraindo atenção para si, a Gia diz que ele estava traindo ela e finge um término com ele na frente das amigas. E até aí para ela estava tudo bem, afinal ela realmente terminou o namoro. E assim, ela tenta voltar a vida dela a normalidade, mesmo com os questionamento de Jules que acha estranho o rapaz conhecer alguém do colégio delas, já que ele mora em outra cidade, entre outras dúvidas que ela levanta.
 “— Raramente encontramos profundidade quando a procuramos dentro de nós mesmos. A profundidade é encontrada no que podemos aprender com as pessoas e as coisas que nos cercam. Todo mundo, todas as coisas, têm uma história, Gia. Quando você conhece essas histórias, descobre experiências que a preenchem, expandem sua compreensão. Você acrescenta camadas à sua alma”.

A Gia também não esperava ficar pensando tanto no rapaz, o qual ela também não sabe o nome. E sua curiosidade é tanta, que ela resolve pedir a irmã dele o telefone dele. Surpreendentemente a irmã dele, que se chama Bec, recusa-se a dar o telefone para Gia e diz que ela é muito superficial, além de praticar bullying com as outras pessoas. A Gia então começa a pensar em tudo que ela fez durante os seus anos escolar, o quanto a popularidade dela tem um preço, afinal todos a conhecem, mas ela mal se lembra do nome das pessoas, além de ter sido cruel em diversas situações. Somos apresentados aí, a uma garota que sempre foi patricinha e arrogante, mas nunca entendeu o que porquê.

A Gia não desiste de encontrar o namorado de aluguel e até mesmo segue a Bec, para tentar encontrar a casa dele, mas as coisas não saem muito certo. Até que um dia na aula, a Bec se aproxima dela e diz que ela tem um débito com o irmão, sendo assim, ela pede a Gia para fingir ser namorado do rapaz na festa de formatura da ex dele, a Rachel, que o abandonou para ficar com o melhor amigo dele (triste né?). A princípio a Gia reluta bastante, mas acaba aceitando pois além de querer ver o cara de novo, ela sabe que deve a ele um favor.

“ – Minha preferência é simples: você.”

Quando o dia do encontro chega, ela fica bem eufórica com a situação, pois ele era mais bonito do que ela se lembrava (awn *-*) e assim, mesmo relutante, os dois acabam no carro indo em direção a festa e a Gia menciona o fato de que não sabe o nome dele. Os dois brincam um pouco e ele acaba revelando se chamar Hayden por um motivo bem bacana que a mãe dele lhe deu esse nome e vou deixar para vocês descobrirem. Nome enfim revelado, os dois conseguem fingir bem na festa que estão juntos, mesmo que o Hayden ainda tenha esperanças com a ex.

E bom com isso pessoal, os dois começam a ter contato um outro. A serem confidentes e a Gia principalmente fica muito interessada no rapaz, mas entre tantos encontros que os dois arrumam, ela não sabe se eles estão sendo só amigos, só fingindo para outras pessoas, ou se eles realmente se gostam. Além disso, a Gia vai vivendo o dilema de estar mentindo para as amigas, enfrentando uma Jules bem psicopata, além do fato dela questionar toda a vida dela e a sua família que por ser aparentemente perfeita possui tantos problemas que eles preferem ignorar.

Eu preciso dizer que gostei muito dessa história, ela não só abordou a vida amorosa da Gia, como também tratou das dúvidas da adolescência como a necessidade de ser aceito, além de apresentar um problema familiar. O livro se desenvolveu muito bem e os personagens me cativaram muito. Eu pensei que não ia gostar muito da Gia, mas no decorrer do livro torci muito por ela. Adorei a Bec também, que é uma moça cheia de surpresas e que possui uma forte personalidade. O Hayden também é igualmente fofo e gostei do fato da autora der dado a ele características reais sabe? Foi quase como se eu o conhecesse como um colega de escola, ela deu a ele um ar bem natural. Os demais personagens, também são interessantes, as amigas da Gia, a Claire e a Laney também são bem legais e possuíram papeis significativos. Nem preciso dizer que odiei a Jules né? Super psicopata ela sério, só lendo vocês vão entender.

“— Por que é loucura se declarar para o Nate?— Porque ele é um grande amigo. Não quero estragar tudo. Sabe como é?— Sim, eu sei. Perder amigos é a pior coisa”.

Esse livro fluiu muito facilmente pessoal, a escrita da autora é bem leve e os capítulos não são tão longos, o que faz nossa leitura render. O livro também possui uma premissa chiclete que nos leva a querer saber logo o final. E que final em? Adorei o desfecho dado na história. A autora soube encerrar de uma forma bem bacana. Só não dei cinco estrelas porque achei que faltou um pouco mais de informações a respeito da amizade da Gia com as amigas, todas as conclusões que tiramos é o pouco que a personagem nos revela, então achei que faltou mais isso sabe? Além de que eu também senti falta de algumas revelações a respeito da Jules, que aparentemente não é uma pessoa legal e tivemos informações muitos vagas o porque disso. Mas, fora isso, o livro é muito bom.

Esta obra é um lançamento da editora Verus que fez um belíssimo trabalho com a capa, que eu tenho certeza que assim como eu, chamou a atenção de muita gente. A diagramação também é simples e bonita e minha edição não veio com nenhum erro. Eu disse para a Taty que essa história, parece muito com aqueles filmes de comédia romântica, porque o livro tem bem esse ar leve, romântico, com algumas complicações e lições valiosas no final. E claro, recomendo para as românticas de plantão e também para quem procura uma leitura leve e descontraída.

Até a próxima pessoal ;)




© Coleções Literárias ♥ - Todos os direitos reservados - 2016 ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo